Pular para o conteúdo principal

Cursos e mais cursos, será que vale a pena?

Sou suspeito para falar, sempre fui auto-didata (mesmo agora na faculdade), e não faz muito tempo estava pelos corredores do IF-AL (não tá sabendo? clique aqui) e vi um cartaz do Senac (ótima escola profissionalizante por sinal):

"Curso CMS Joomla: R$ 250."


Quase não acreditei no valor (espero que estejam achando caro assim como eu), só para servir de exemplo eu comecei a utilizar o Joomla no desenvolvimento do novo portal do IF-AL (não tá sabendo? clique aqui) faz mais ou menos um mês, e posso dizer sem sombra de dúvidas: você não precisa de um curso para aprender, não vou defender um CMS ou outro, cada um tem suas vantagens e desvantagens, e eu mesmo nunca precisei de um para desenvolver sites para meus clientes, pelo menos até pouco tempo atrás, mas com uma noção mínima de HTML e CSS e procurando entender PHP, o resto para aprender o CMS em questão é, como se diz por aqui: "sair mexendo".

Não quero dizer que não valha a pena fazer um curso desse tipo, até porque não tenho informações quanto ao conteúdo a ser mostrado aos alunos, mas com o pouco de experiência que tenho posso dizer que: caso o "webdeveloper" só faça uso de CMSs e depois crie a tendência de sempre ficar procurando um template bonitinho para colocar no site do cliente, resultará numa coisa meio que óbvia: coitado do cliente.

É só ter em mente que, mesmo que se faça uso de um template daqueles do tipo "mais baixado", sempre, SEMPRE o cliente vai querer modificar alguma coisa, e então o bom e velho CSS+HTML entra em ação.

"Ter ferramentas para acelerar a produtividade é importante, mas isso não significa que você não precisa saber sobre determinadas coisas só porque já estão prontas" - James Gosling, criador da linguagem JAVA sobre as facilidades da mesma.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Utilizando o padrão de referências da ABNT no Word

Uma importante funcionalidade do Microsoft Word é o seu Gerenciador de Fontes Bibliográficas. Para aqueles que estão escrevendo algum trabalho acadêmico ou científico, é possível cadastrar todas as referências do trabalho e no final gerar a listagem já enumerada dos documentos que foram consultados na pesquisa. Essa postagem traz os arquivos necessários e as instruções para facilitar essa etapa da elaboração.

Como interpretar e utilizar gráficos

A quantidade de uma única postagem nos últimos 5 anos de blog mostra o quanto estive focado em outras coisas e sem tempo para escrever aqui. Porém, no meio de uma pandemia e com a finalização do meu doutorado, acabei ficando com mais tempo e colocando como meta a volta das publicações aqui no blog.
Nunca antes na história desse país a população, de uma maneira geral, se preocupou tanto com gráficos, curvas, média e outras questões básicas da estatística. Assim, em tempos de coronavírus, essa postagem tem o objetivo de auxiliar que mais e mais pessoas consigam interpretar gráficos, fazer comparações e, inclusive, saber o melhor tipo de gráfico para usar em determinados casos.

Programação Paralela e por que você deveria se preocupar com isso (Parte 1)

Creio que a maioria dos desenvolvedores já deve ter ouvido falar de threads, aprendeu um pouco sobre semáforos, monitores e travas. Partindo desse meu pensamento, imagino que essa mesma maioria não utiliza nenhuma forma de programação paralela em suas aplicações. A pergunta que fica é: utilizar paralelismo e lidar com concorrência tem baixa popularidade entre os desenvolvedores porque não tem utilidade ou porque os cursos de graduação em computação estão carentes de uma disciplina que ensine aos graduandos os reais benefícios em ter uma base sólida nesta área?

Esta série de publicações irá trazer uma visão básica sobre Parallel Programming, os exemplos serão baseados em Java e muito do que mostro aqui pode ser encontrado de maneira mais aprofundada no livro "The Art of Multiprocessor Programming", dos autores Maurice Herlihy e Nir Shavit.