Pular para o conteúdo principal

Como o Google pode ajudar a "prever" o presente

Algumas semanas atrás assisti à boa palestra do professor do Departamento de Economia da UFPE, José Carlos Cavalcanti, onde ele mostrou como o comportamento das pessoas utilizando a ferramenta virtual de buscas do Google reflete assuntos importantes do mundo real.

Para esclarecer melhor essa relação, eu aproveitei que ando preocupado com a subida do dólar e resolvi comparar pontualmente os dados dos índices de cotação do dólar, fornecidos pela Thomson Reuters, com os dados do volume de buscas relacionados ao dólar, fornecidos pelo Google Trends.

Os resultados são no mínimo interessantes pois, como vocês poderão ver nas duas imagens a seguir, pontualmente, no período que analisei (29/08/2013 - 26/09/2013), o dia em que o dólar esteve com a cotação mais baixa em relação ao real foi também o dia em que um volume menor de buscas relacionadas à cotação do dólar foi feita.

Essa relação talvez pareça pouco interessante ou até mesmo óbvia para algumas pessoas, mas é preciso notar a utilidade que isso pode ter, por exemplo, na análise de mercado, definição de estratégias por parte das empresas e até mesmo como levantamento de demanda para o lançamento de determinado produto.
Volume de buscas por "cotação dólar" no Google.

Cotação do dólar no período analisado.
Espero que essa informação possa ser útil, servindo para fazer aquela análise de mercado ou para medir o nível de interesse/preocupação das pessoas sobre determinado assunto.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Utilizando o padrão de referências da ABNT no Word

Uma importante funcionalidade do Microsoft Word é o seu Gerenciador de Fontes Bibliográficas. Para aqueles que estão escrevendo algum trabalho acadêmico ou científico, é possível cadastrar todas as referências do trabalho e no final gerar a listagem já enumerada dos documentos que foram consultados na pesquisa. Essa postagem traz os arquivos necessários e as instruções para facilitar essa etapa da elaboração.

Como interpretar e utilizar gráficos

A quantidade de uma única postagem nos últimos 5 anos de blog mostra o quanto estive focado em outras coisas e sem tempo para escrever aqui. Porém, no meio de uma pandemia e com a finalização do meu doutorado, acabei ficando com mais tempo e colocando como meta a volta das publicações aqui no blog.
Nunca antes na história desse país a população, de uma maneira geral, se preocupou tanto com gráficos, curvas, média e outras questões básicas da estatística. Assim, em tempos de coronavírus, essa postagem tem o objetivo de auxiliar que mais e mais pessoas consigam interpretar gráficos, fazer comparações e, inclusive, saber o melhor tipo de gráfico para usar em determinados casos.

Programação Paralela e por que você deveria se preocupar com isso (Parte 1)

Creio que a maioria dos desenvolvedores já deve ter ouvido falar de threads, aprendeu um pouco sobre semáforos, monitores e travas. Partindo desse meu pensamento, imagino que essa mesma maioria não utiliza nenhuma forma de programação paralela em suas aplicações. A pergunta que fica é: utilizar paralelismo e lidar com concorrência tem baixa popularidade entre os desenvolvedores porque não tem utilidade ou porque os cursos de graduação em computação estão carentes de uma disciplina que ensine aos graduandos os reais benefícios em ter uma base sólida nesta área?

Esta série de publicações irá trazer uma visão básica sobre Parallel Programming, os exemplos serão baseados em Java e muito do que mostro aqui pode ser encontrado de maneira mais aprofundada no livro "The Art of Multiprocessor Programming", dos autores Maurice Herlihy e Nir Shavit.